Casamento

Para muita gente, hoje começa o mês em que se comemora a mulher. Em minha vida isso é indiferente, o importante é ser gente. Gente que ama, que é amada, que se sente feliz fazendo o outro feliz. Então, aqui em casa, março é o mês que comemoramos a celebração do nosso casamento, o início da construção de nossa família.
Tem uma crônica da Martha Medeiros , publicada em seu livro Montanha Russa, que tomo a liberdade de transcrever aqui pois, considero fantástica:

Casamento pega
Marília contraiu febre amarela. Rosely contraiu estafilococo. Milton contraiu varíola. E Lizete, coitada, contraiu matrimônio.
Um amigo solteiro me perguntou dia desses: é doença? Bem, não está catalogado como tal, mas há aspectos em comum.
Primeiramente, casamento é contagioso. Os pais vão acostumando seus filhos com a ideia e são capazes até mesmo de estimular seu surgimento, como fazem em relação ao sarampo e à catapora: "melhor pegar de uma vez pra ficar livre". Então, entre 25 e 30 anos, homens e mulheres vão se aproximando, se tocando, se lambendo e se arriscando a encontrar o par ideal para com ele contrair a coisa.
Casamento também leva todo mundo pra cama invariavelmente. No começo dá calafrios, suores, palpitação, taquicardia, mas depois as pessoas vão se acostumando com os sintomas e eles desaparecem. O enfermo começa a ter menos paciência para ficar deitado. Começa a frequentar mais o sofá, a poltrona e nem se dá o trabalho de tirar o pijama e vestir algum troço decente. Cama passa a ser lugar apenas para dormir.
O automedicamento é desaconselhado. É prudente ter o nome de um psiquiatra de confiança anotado na caderneta de telefones.
Casamento pode ser fatal. Ao menos era, tempos atrás. As pessoas não tinham muita informação e a doença matava mesmo: matava a paixão, matava o sexo, matava a paciência, uma desgraça. O matrimônio, que é o nome científico dessa enfermidade, podia levar anos pra dar cabo do casal, mas os menos debilitados conseguiam resistir bastante tempo, às vezes até 50 anos, amparados pela fé. Hoje há cura. O remédio chama-se divórcio. Custa uma fortuna e não impede que haja reincidência.
Fora isso, casamento e doença não têm nada a ver um com o outro, a não ser o verbo e o grupo de risco: qualquer um pode contrair.

Peço que Deus não nos cure dessa "doença" e que os seus sintomas continuem como no início. Que nunca criemos resistência ao seu agente causador: O amor!

Nunca concordarei com o poeta Vinícius de Moraes. Quero andar na contramão da história. Que o nosso amor não seja eterno enquanto dure e sim, que dure porque é eterno!
                                                                                             Renata

5 comentários:

Favo de Mel postou o comentário número:

Renata minha amiga, você é uma pessoa muito interessante, sabe buscar algo diferente em tudo que vê ou ler, e nos transmite tudo isso com muita simplicidade. O que é o mais importante, fico muito feliz quando visito seu espoço, saiba que a reciproca é verdadeira os seus comentários sempre me alegram.

Deusa postou o comentário número:

Quero morrer so de ler este post...kkkkkkkkk...e viva a poltrona,o computador e seus joguinhos que levam horas e noites,a cama pra dormir e tudo o mais que se contrae com o casamento...kkkkkkk.Faço questão que minha filha contraia bemmm mais tarde,nada de casar novinha,emboraa se quiser...vacinar como?que seja tão feliz quanto eu...apesar do sofa e da cama...kkkkkk.
Beijinhos
Deusa
vasinhos coloridos

Cora postou o comentário número:

Renata, que texto show!Adorei!
Sou casada a 8 anos, e cada dia mais amo meu bebê.Não somos um casal convencional e nem eu queria que fossemos.Eu amo como somos!Isso é o que nos faz sentir nosso amor mais forte e mais vivi cada dia mais!*))
Quanto ao dia da mulher, concordo contigo!
Não sinto esse mês um mês especial, seja pela história que tenha, enfim...!
Nós mulheres ainda enfrentamos tanta dificuldade, tanto preconceito, em algumas profissões, não seria um data que mudaria isso!
Ah, deixa para lá não é??
Rs, o que vale é a mulher em si!

Bem...acho que isso!!rs
beijos.

LaReK postou o comentário número:

Adorei o texto! Realmente fantástico!

Um grande beijo!

Biula postou o comentário número:

Renata e maridão,

Parabéns pelo aniversário de casamento! Que permaneçam sempre felizes um com o outro!

Re, sabe que eu e maridão aqui tb casamos em março? Nossa data é daqui uma semana :)

Beijo,

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...