Coisas do meu jeito de viver...

Depois de tantos dias sem postar, fiquei pensativa sobre o que escrever nessa volta, mas a querida Ana Rota , me trouxe a inspiração. Ela me presenteou com um selinho fofo. Sou muito enrolada com essa coisa de selinho. Não sei o que acontece. Toda vez que recebo, tento fazer postagens sobre eles e começa a travar tudo aqui no sistema. Já fiz postagens que desapareceram literalmente... Dessa vez vou tentar colocá-lo no final para ver se a coisa flui.

Amei a forma que a Ana usou para falar as sete coisas sobre ela... Resolvi contar sobre as características de minha vida que fogem ao lugar comum, ou seja, o que me faz “Guidinha”
! Tenho um vício que me caracteriza como alguém nascida em outro século... Acreditem: o rádio de pilha. Não serve outra “coisinha” mais moderna. Só escuto AM (rádios Tupi, MEC e algumas vezes a CBN). Tenho problemas com o FM. Gosto de escolher as músicas que quero ouvir, então música no rádio não rola. O bendito rádio tem que ser a pilha para poder passear comigo pela casa e não sofrer interferências de outros aparelhos eletrônicos. Nada de fones no ouvido... Preciso ouvir o resto do mundo. O tempo foi passando e contaminei um pouco o meu marido, pai e mãe...
! Nunca fui chegada a chocolate. Raramente acabo consumindo. Não suporto leite com Nescau. Se tiver que tomar leite com algum achocolatado, que seja Toddy ou Ovomaltine... Gosto de coisas simples que levem banana, abacaxi, goiaba... Troco um super bombom da marca mais cara e famosa por uma mariola, um belo pedaço de bolo de fubá com canela e açúcar por cima... Café não me encanta, só na mistura com o leite, que tem de ser super quente em canecas ou xícaras. No copo perde a graça. Dispenso os adoçantes sintéticos. Se tiver que cortar o açúcar, prefiro consumir as coisas que bebo, sem adoçar. Minhas bebidas preferidas são os chás e sucos naturais. Com todas essas esquisitices, desde que me entendo por gente adulta, o meu peso se mantém entre 51 e 53 kg, só variando um pouquinho em cada gravidez. Meu vestido de noiva (não me desfiz dele) ainda fica perfeito... O que denuncia a passagem do tempo são o cabelo e o rostinho...
! É impossível imaginar quantos filhos naturais ou adotivos teria se a situação financeira permitisse. O que limitou foi a grana, ou melhor, a falta dela. O marido e eu teríamos quartos cheios de triliches, sala de jantar com mesa enorme e ônibus para carregar a tropa. As viagens seriam sempre excursões...
! Automaticamente começo a ler revistas de trás para frente... Não suporto me ver presa a marcas de qualquer produto... Tenho dificuldade para conviver com perfumes...  Sou apaixonada por sabonetes especiais... Carrego agulha de crochê na bolsa. A linha pode ser improvisada, então não há necessidade de carregá-la... O inverno é minha estação preferida. Só vou à praia para acompanhar a família...
! Converso com plantas. Com as minhas e a dos outros também. Sinto-me mal se ao regá-las pulo alguma... Não gosto de deixar nenhuma com “sede”.
! Nunca tive animais de estimação, pois acho que todo animal precisa ser livre e conviver com a sua espécie. Não critico quem tem, só não consigo me sentir “dona”...
! A Ana contou que sonha com uma família de “comercial de margarina”. Cheguei à conclusão que a minha é assim. Tentei descobrir o segredo. Pensei, pensei... Não é que a coisa é simples? Basta ter sempre a mesa manteiga também... Nem todos gostam de margarina. Ao longo de nossa vida familiar, conseguimos administrar nosso tempo ao ponto de estarmos sempre juntos nos horários das refeições, mesmo que por forças das circunstâncias mudando-o algumas vezes para adequá-lo ao grupo. A mesa e o alimento sempre foram ótimos meios de aproximação. Durante as refeições, partilhamos tudo que vivemos em separado... Sempre foi um momento mágico, muito valorizado. Mesmo com toda a correria a mesa tem que ser arrumadinha, com alimentos servidos em travessas. Nada de apanhar comida na panela. A cooperação de todos nos deu esse prazer. Todos participam ajudando a colocar a mesa, preparar a comida, recolher e lavar a louça naturalmente... Para quem está começando a formar uma família, recomendo tentar a experiência. Aqui foi um sucesso... Não precisamos usar “sazon” . O tempero do amor é natural.

Bom, é isso! Estão aí sete coisinhas dessa minha vida cheia de mil esquisitices.

Ana, obrigada por ter se lembrado de mim. Acho que quem escreve sobre sua vida, vai podendo fazer uma catarse e não precisa de terapeuta, já que ao reler mais tarde as bobagens que escreveu, tem como avaliar as maluquices que precisam ser corrigidas...

Antes de começar a visitá-los em seus blogs, deixo aqui o selinho para todos que passarem por aqui e se sentirem animados em fazer a “terapia do selinho”.

Bjks

14 comentários:

Leninha postou o comentário número:

Que bom!!!Você voltou!!!E de forma linda,falando sobre o seu jeito de ser,que não tem nada de esquisito,é o seu jeito,pôxa...temos algumas coisas em comum,por exemplo,ler revistas de trás para frente´,gostar de manteiga,o sonho de ter muuuuuitos filhos,mesa cheia etc,etc,cortado pela realidade da vida...também gosto de sabonetes especiais(Un Joyel é um deles,desapareceu...)e por ai afora.
Sou também do século passado,só que vinte anos nos separam...
Bjssssssssssss,Leninha.

Rosiane Teixeira postou o comentário número:

Adorei saber mais sobre você Renata e não achei nada esquisito hehehe.
Um beijão querida e fico feliz pela sua volta.

Vania postou o comentário número:

Oi Renata,boa noite !!
Que coisa,tbm tenho coisas "esquisitas" em comum,aliás "esquisitas" para os dias de hj diga-se de passagem!
Fui criada dando valor a tudo isso e agradeço aos meus pais,pq a ´história se repetiu aqui na minha casa,com minha família,que bom!!!
É Renata,são valores q preservamos,e isso é ótimo...pq os resultados logo aparecem...
Ahhh,tbm leio revistas de trás prá frente,somos estranhas mesmo...rs.
Foi maravilhoso te conhecer um pouquinho viu?
beijo.

Cleide Ana Rota postou o comentário número:

Oi amada!
Eu particularmente acho tão bom escrever sobre mim; independente das partes ruins que todos temos, sempre tem coisas boas e algumas delícias que deixam saudade. Sou do FM, amo chocolate e tenho uma cachorrinha que é mais minha 'dona' do que eu dela... Mas também converso com plantas e teria tantos filhos que não caberiam nos dedos das mãos e dos pés! Adoro FAMÍLIA e tudo que envolve essa palavra, adoro gente reunida na mesa, conversando, servindo e ajudando como você relatou... É exatamente a família que eu quero pra mim; a concepção de família que meus pais me deram e eu quero dar pra minha filha... Quando conquistar esse ideal, eu divido minha grande alegria contigo, ok? E quem sabe um dia até possamos nos conhecer pessoalmente... Adoro você; beijos.

Adriana postou o comentário número:

QUERIDA, ADOREI CONHECÊ-LA UM POUCO MAIS!!! COMO VOCÊ ESCREVE BEM, MENINA!!!
OLHA, NUMA COISA EU SOU IGUALZINHA À VOCÊ: LEIO TUUUDO DE TRÁS PRA FRENTE!!! SERÁ ANSIEDADE???

BJUSSSSSSS

Rozinaldo Fiedler postou o comentário número:

Alô Renata.

Que legal ter voltado a me prestigir. Isso é bom e me força para seguir mandando brasa. Obrigado e vamos que vamos. Bela postagem e que selinho danado. Cuidado com o radinho.

um abraço

E ponto final.

Leninha postou o comentário número:

Querida Renata,espero que Deus te dê forças,porque realmente é muito difícil lidar com a doença e o sofrimento de quem amamos.Durante 2 anos cuidamos de nossa mãe doente(já com 93 anos),e foi muito sofrido,mas ela nos ajudava porque era muito doce,muito calma e tinha uma fé inabalável...sempre se fala"Deus dá o frio,conforme o cobertor"e é um fato,Ele sempre nos dá uma força que não sabíamos que existia dentro de nós...e é muito bom poder cuidar,poder ajudar...
Um beijo carinhoso,prá vc e para os seus(um especial para papai e mamãe.

Elaine Gaspareto postou o comentário número:

Renata, boa noite
Você tem razão, escrever economiza na terapia rsrsrs e faz um bem enorme. Acho que este é o maior bem que o blog me fez, espero não perder nunca.
Sabe? Desisti dos selos. Esqueço sempre, um horror. Eita tempo curto e vida corrida, né?
Beijossss

PS: seu pai está melhor?

Renatha postou o comentário número:

Todos temos algumas esquisitices, não é?! Mas as suas até que não são tão esquisitas assim, ao menos pra mim. Talvez eu tb seja esquisita! Rsrs... Melhor assim!

Como está seu pai?
Vc com toda essa correria ainda conseguiu tempo para nos visitar... Que ser humano encantador você é!
Torço para que tudo corra da melhor maneira...

Beijos!

Ana Maria Braga postou o comentário número:

Saber mais sobre vc. foi muito bom.
Melhoras para seu pai.
Beijos.

Juliana Ramos postou o comentário número:

Vim aqui especialmente para agradecer o comentário lá no bloguito. AMEI!!!
Escrever já me dá tanta alegria. Saber que tem alguém lendo e ainda por cima gostando, é a cereja do bolo!!!

OBRIGADA!!!

Bjos

ps.: adorei o radinho de pilha!!!

Nile e Richard postou o comentário número:

Oi Renatinha.
Adorei ler o seu relato.
parabéns pelo lindo selinho.
bjtos.Nile.

Mônica postou o comentário número:

Este selinho é muito interessante.
Uma hora que tiver cocm mais tempo pego.
Hoje minha tia esta no CTI e mame continua com o pé quebrado. Mas arrumamos uma moça para nos ajudar. Estrou acompanhando o meu primo, filho unico nos tres horarios de visita
Graças a Deus seu pai esta em casa.
Um abraço para ele.
Tenho muita saudade do meu.
com carinho Monica

casa de professora postou o comentário número:

Ai minha querida, você não é esquisita não, são suas características que tem muito em comum com todas nós, por exemplo tb carrego agulha de crochê na bolsa, não me ligo em marcas e às vezes leio revistas de trás pra frente...o que seu pai tem? Minha mãe está se recuperando de uma cirurgia no intestino e está fazendo quimioterapia, tadinha tá tão sem apetite...bom desejo melhoras para o seu pai...bjs!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...