Rir para não chorar...


Estava conversando hoje com uma de minhas amigas e lembrávamos contratempos que já passamos, por termos tido a necessidade de contratar ajudantes para o auxílio com o serviço da casa...
Comigo, algumas situações foram pitorescas. Hoje já distantes, me fazem rir.  Na época, lágrimas rolaram. Acho que fizeram parte de um trabalho de purificação de minha alma...
Não são uma crítica as empregadas domésticas, mas a constatação de que essa estrela não brilhou para mim. Nada a lamentar. Os rumos que tomamos e a qualidade de nosso relacionamento familiar pode ter sido muito favorecido com  isso.
Antes de tudo, devo informar que só empregávamos pessoas com referências para trabalhar em nossa casa. Mudamos esse costume. Agora, nem com referências... Desde 1994 esse nosso chatô virou uma cooperativa. Quem vive aqui, cuida! É claro que a idade vai chegando e certamente haverá um momento que essa necessidade surgirá. De maneira alguma posso achar que seremos auto suficientes a vida toda... Por enquanto o ideal é permanecer do jeito que está.

Relato a seguir algumas delas:
* Tinha um lindo jogo de panelas Rochedo que por fora eram creme com uma listra caramelo e por dentro teflon. Saí para trabalhar deixei minha ajudante cuidando da casa... Quando voltei para o almoço, SURPRESA! A doce senhora, achando que eu era porquinha e não lavava as panelas por dentro, por isso estavam pretinhas, areou até ficarem brilhando... O teflon foi para o brejo... "Que alegria!" Ainda bem que tinha apenas 1h20m para ficar em casa, meu outro turno de trabalho me esperava... (Informo que tive forças para ficar com ela por longos três anos).

* De outra vez, estando em casa no final de minha primeira gravidez, tocam a campainha. Vou atender acreditando ser algum vizinho, pois o interfone não foi acionado. Nada disso, era uma moça com os seus 25/30 anos, segurando duas crianças pelas mãos. Assim que abri a porta, ela começou a me xingar, dizia que eu era muito sem vergonha por estar grávida do marido dela... Eu, com cara de pastel sem entender nada, tento explicar que nem sabia quem era o marido dela... A criatura descreve fisicamente o meu marido e cita o nome dele. Como assim? Estamos juntos já faz tanto tempo... Namoro, noivado, casamento... Como meu marido poderia ser o marido dela?  Explicação: O raio (desculpem-me, mas não há outra qualificação para o indivíduo) do tal marido, era porteiro do nosso prédio, tinha o mesmo nome do meu, tipo físico parecido e frequentava a nossa residência quando nós não estávamos. Era amante de minha "querida" ajudante... Os dois infelizes passavam o horário do café da tarde, se divertindo em nossa casa... Arrumaram um filho (a essa altura ela estava grávida também e eu não sabia) e no final das contas quando a criança nasceu, teve a cara e pau de aparecer  para me apresentar a criança, que ganhou o nome do pai (que era o mesmo do meu marido, como já relatei) e ainda me chamar para batizá-la. Dizem que é pecado recusar batizar uma criança, mas Deus há de ter misericórdia de mim, pois não tinha a menor condição de aceitar...


* Uma pessoa amiga da família se casou... Não nos foi possível comparecer ao casamento, pois eu estava quase no final de minha segunda gravidez e, além disso, foi na véspera do casamento de minha irmã mais nova... Um tempo depois, essa pessoa trouxe o álbum da festa para que eu visse...  Que maravilha!  Em uma das fotos a minha ajudante toda serelepe vestindo sabe o quê? Um lindo vestidinho meu... Como sei que era meu? Impossível não saber, fui eu mesma quem fez para o casamento de minha prima... Detalhe, ninguém me pediu nada emprestado...

Bom, as histórias são tantas que tem assunto para uma infinidade de posts. Aos poucos dou continuidade à série "rir para não chorar"...




13 comentários:

Vera Lúcia Duarte postou o comentário número:

Oi Renata,
De fato, são tantos casos que ocorrem que fica até difícil enumerar.
Os seus, de fato, se fizeram chorar no passado, hoje são bem divertidos de lembrar.
Beijo.

Ana de Geo postou o comentário número:

KKKKKKKKKKKKKKKK
Guidinha, parece coisa de filme... dava pra escrever alguns contos e publicar com o que a gente já passou com nossas amiguinhas ajudantes do lar, não é mesmo?
Mas com as graças de Deus vamos levando a nossa vida como Ele quer.
Mil beijos.

Mari Hart postou o comentário número:

uhahuahuauhauhhahua... desculpa, mas eu ri! E ri muito!!!! Comassem ela achou que vc estivesse grávida do porteiro!? kkkkkkkkkkkkkkk....

Bjkas!!!

Leninha postou o comentário número:

Oi Renata querida,estou aqui rindo com as suas histórias sobre as ajudantes e me lembrando de várias acontecidas comigo...só muda o endereço,não é mesmo?Podemos até fazer uma blogagem coletiva,só sobre este assunto...vão aparecer histórias do arco da velha...
Uma noite muito feliz para você e que Deus lhe traga belos sonhos.
Bjssssss,Leninha.

Rô... postou o comentário número:

oi Re,

vir aqui é encontrar motivos para rir,
na certa...
que delicia,
vou dormir bem mais relaxada!!!
só mesmo contando porque tem algumas que parecem mentiras...

beijinhos

casa de professora postou o comentário número:

rsrsrsrs...adorei sua visita e cá estou eu para retribuir e confesso que to adorando seu blog e seu jeito gracioso e irreverente de ser, sabe que uma vez teve uma babá do meu filho que tomva o danoninho dele e tapava o potinho novamente? KKKKK, bjs!!!! Eu adorei a do vestidinho...

blog da Paraguassu postou o comentário número:

Olá Renata,
Gostei de sua postagem. Diverti-me muito com suas histórias. São, na verdade, hilariantes. Amei, também, seu blog. Já a estou seguindo e voltarei mais vezes aqui.
Convido-a a visitar meu espaço e, se gostar, siga-me e deixe um recadinho para mim, ok? Ficarei muito feliz com sua visita.
Um grande beijo,
Maria Paraguassu.

Monica Morris postou o comentário número:

hhehehehehhe adorei so rindo para nao chorar mesmo ha se eu fosse contar as minhas cenas , adorei a do vestido
bjbj
Monica

Conceição postou o comentário número:

Olá Renata,

Que histórias, davam um filme, rsrsrs.
Beijinhos e um bom fim de semana.
São

Eva postou o comentário número:

Renata dos céus, quase estou dizendo pra vc se benzer, hehe, achei muito engraçado, mas na hora deve ter sido muito desagradável mesmo, que ajudante hein? quase sócia, tinha até um marido sósia hehe, que coisas que a vida nos apresenta né, só com muito bom humor, sou que nem vc rio muito pra nao chorar, eheh. bjinho, prazer em te ver, bom findi.

Leninha postou o comentário número:

Oi Renata querida,passei prá lhe desejar uma boa noite e um lindo domingo(apesar do frio).Não sei se vou conseguir pois o Blogger está com problemas,de novo.Bjsssss,Leninha.

Lúcia Bezerra de Paiva postou o comentário número:

Guidinha, essas histórias fazem rir muito. Eu particularmente, tive a sorte de ter tido boas "secretárias do lar"...mas uma cunhada minha
tem casos interessantes. Teve uma, que veio do interior, matuta, e minha cunhada pediu um chá, para ela e uma amiga.Ela trouxe, em prato fundo e com colher, como se sopa fosse.Noutro dia, pediu que ela fizesse salada de alface e tal. Ela fez, mas antes de levar à messa, pois um tempo no forno...Essa mesma, minha cunhada levou-a à praia, e mais as crianças. Ao ver o mar(nunca dantes visto) ela gritou: - "que AÇUDÃO, Dona Tereza!"...imagina a capacidade doméstica da matutinha...caiu fora logo...
Adorei, a postagem, ri pra valer...
Beijinhos

ARTE DO TONINHO postou o comentário número:

OI RENATA BOM DIA VOCE FALA DOS DOIDOS DAI AQUI TAMBEM TEM MUITOS NO TRANSITO AQUI TEM MAIS EU SOFRO UM BOM PEDAÇO NA MINHA OFICINA AS PESSOAS QUEREM E MILAGRES QUEM SABE VAMOS TER MENOS INGNORANTES POR AI MAS UM ABRAÇO PRA VOCE E FAMILHA DEUS AI

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...