Tempo de viver...

Aqui em minha cidade, existe um café chamado Maria Torta. Já se tornou um espaço tradicional, frequentado por gente que gosta de saborear coisinhas gostosas em um ambiente acolhedor.
Sempre que posso circulo naquele local. Ontem, após fazer as unhas e querendo esperá-las secar (desculpa esfarrapada) me sentei por lá. Não tenho nenhum problema em estar fazendo isso sozinha, pois consigo me divertir observando o mundo.
Numa mesa em frente a minha, estava um grupo de sete amigas da melhor idade, ou seja, ninguém fora da faixa dos 80 anos. O papo animadíssimo e nenhuma delas parecia estar se importando muito com qualquer problema de saúde. Açúcar fazia festa. Salgadinhos de todos os tipos, tortas com lindas coberturas... Muito capuccino. Estavam todas arrumadíssimas com seus brincos, colares e batonzinhos. Que grupo fofo! A alegria não deixava nada a desejar com relação a um bando de adolescentes, apenas faziam menos barulho e os gestos eram mais contidos.
Ajudavam-se mutuamente no levantar e circular até a mesa do buffet, já que duas delas estavam com suas bengalas charmosas em punho. Uma das bengalas tinha um belo laço feito com um lenço de bolinhas azuis.
Era a mesa mais animada, o que demonstra que envelhecer pode ser prazeroso quando não nos isolamos do mundo. Fazer amigos e saber conservá-los é essencial.
É pena que no tempo de uma de minhas avós, as mulheres abdicavam por força dos seus maridos e da sociedade em geral, do convívio com as amigas. Essa minha avó faleceu quando eu ainda era uma menina, mas deixou algumas lições em minha vida.
Ela sempre falava "quando eu podia não podia, agora que eu posso não posso", ao se referir a tudo que deixou de fazer por ser impedida pelo meu avô, na época em que era nova e tinha saúde e depois que ficou viúva já com idade e sem forças...
É por essas e outras que me sento lá na Maria Torta ou vou a outros lugares sozinha. Não posso esperar que o marido ou outras pessoas possam ter disponibilidade para bater pernas comigo. O tempo de viver é o presente. O amanhã pode ser tarde... Fico imaginando o que seria de mim, vivendo com os costumes e as limitações sociais para as mulheres do passado...
Há tempo de plantar, há tempo de colher, mas sempre é tempo de viver!

24 comentários:

Angela postou o comentário número:

Olá querida Renata, concordo com vc! Amanha pode ser tarde!
Eu saio por este mundo e quem quiser ir comigo que venha. Meus filhos já estao grandes, entao, eu e meu marido batemos pernas por aí!!!Tem que aproveitar!!! Adorei o grupo animado das velhinhas. Aqui, os idosos tem uma vida super ativa: passeiam, vao em festas, caminham, andam de bicicleta, mesmo no rigoro inverno!!
Querida amiga, fiquei emocionada com seu comentário no meu blog! Espero que seu coraçao esteja bem, depois de recordar uma pessoa tao querida para vc!!!
Beijos e um ótimo final de semana.

Juliana postou o comentário número:

Sempre peço a Deus para que eu envelheça feliz e animada também!
Beijos,
www.mentevaziaeoficinade.blogspot.com

ELIANA-Coisas Boas da Vida postou o comentário número:

EU CONCORDO COM VC NUNCA DEVEMOS DEIXAR DE VIVER POR CAUSA DESSA OU DAQUELA PESSOA,TEM MÃES QUE FICAM VELHAS E CULPAM SEUS FILHOS E MARIDOS POR NUNCA TEREM SIDO FELIZES E VIVIDO A VIDA REALMENTE!
PORTANTO NÃO VAMOS DEIXAR QUE ISSO ACONTEÇA CONOSCO!
ADOREI LER ESSE BELO TEXTO!

Brechó Recicle Online postou o comentário número:

Verdade verdadeira amiga! Olha...Eu faço isso sempre!! Adoro sair sem hora pra nada e caminhar bem lentamente observando o mundo ao meu redor e o comportamento das pessoas. ADORO parar em doçerias e pedir capuccino com chantily e depois ganhar uma aguinha com gáz. Fico lá sozinha, pensando e observando, observando e pensando...hahahh

Aqui em Santos é a terra da melhor idade,sabe? Gente animada e sem preconceito, na praia de biquini, andando de bike, fazendo ginástica na areia...Aff... Todos com mais de 70 anos. MUUUUUUITO legal!

Quem sabe um dia não vamos bater perna e observar o mundo juntas,né?...rsrsrsr

Carolina Lima postou o comentário número:

Renata,
se eu disser que me emocionei muito ao ler sua postagem você acredita?
Foram exatamente as palavras que eu precisava de ouvir para levantar a cabeça e continuar enfrente e não esperar por outras pessoas. Elas que venham atrás de mim, né? :)

Obrigada por compartilhar isso conosco!

Gostei muito, muito, muito mesmo do seu blog!

Estou te seguindo!

E já vou aproveitar para te convidar a participar do sorteio que está acontecendo no meu blog!

Um grande abraço,
Carol :)
http://bembemsimples.blogspot.com

Nile e Richard postou o comentário número:

Ola Renatinha.
Lendo o seu relato,estou de pleno acordo com voce.
Envelhecer não quer dizer isolamento e sim mais comunicação.
Que bom que sabe apreciar estes grupinhos animados.
Viver o presente é maravilhoso.
Bom fim de semana para voce.
bjtos.Nile.

edilene dangelo postou o comentário número:

Olá minha querida!! Boa noite como sou sua seguidora assídua sempre visito seu cantinho,
Adoro td aqui, Vim aqui retribuir sua visita ,
Adoro te ver no meu cantinho tbem Volte sempre desde já Agradeço ....

Deusa postou o comentário número:

Certissima Renata,imagine se eu ficasse esperando que meu marido me levasse ao supermercado,ao Shopping,ao centro?,mas nem pensar...se estou a pé,pego meu carrinho e vou ao supermercado,vou puxando o carrinho na boa,qual e o problema?,não é?.
Se tenho vontade de bater perna por ai,me sentar em um lugarzinho acochegante e tomar um cafe olhando a rua..delicia,não vejo nenhum problema.
Acho horrivel ficar depedendo totalmente de alguém.Meu marido e eu somo muito felizes,nos amamos,nos agradamos o tempo todo,mas...não somos um só....cada um veio de uma criação,de uma casa,foi gerado por uma mãe diferente...somos dois vivendo juntos.
Dividimos tarefas,somos pais apaixonados,somos....
Eu não vou mentir que vou a festas sem ele,realmente não vou a não ser que seja da familia ou de crianças para levar Maitê,mas faço isso porque NOS preferimos assim.O pior de se viver sempre um a sombra do outro e que os dois se sufocam,e absolutamente necessario que cada um tenha sua vidinha particular...como o Blog entende?.Senão quando um faltar o outro não aguenta.
Beijinhos
Deusa
vasinhos coloridos

Favo de Mel postou o comentário número:

Fique muito feliz em saber da melhora de seu Pai, um abraço e agradeço pela visita.

Cleide Ana Rota postou o comentário número:

Aiii; que delícia de post! Quem me dera poder sentar no café Maria Torta contigo para conversar sobre a vida... Flor; se um dia vier a SC avise-me, temos tantos pensamentos em comum (e mesmo se não tivéssemos), será tão bom poder te dar o abraço que tenho vontade de dar agora... Beijos com carinho.

Adriana postou o comentário número:

LEMBRO DAS MINHAS VOVÓS, COITADAS... ENCLAUSURADAS COM SEUS LENCINHOS E FAZENDO BOLINHOS DE CHUVA PRA QUEM FOSSE VISITÁ-LAS... NEM UM BATONZINHO, NEM UM PASSEIO... NINGUÉM PRA LEVÁ-LAS A LUGAR NENHUM... PARECE QUE ESTAVA ESCRITO NELAS: TEMOS QUE FICAR AQUI, DESSE JEITINHO, ESPERANDO SÓ A NOSSA HORA CHEGAR... ANTIGAMENTE ERA ASSIM??? AS VOVÓS FICAVAM EM CASA??? CRUZES!!1
BJSSSSSSSSSSSSSSSS

LaReK postou o comentário número:

Ah, super concordo com vc! Temos que fazer o que podemos quando queremos - e ainda bem que hoje em dia podemos!

Um grande beijo!

Monica Morris postou o comentário número:

oioi adorei esse post e concordo com vc a jente nãopode deixar as oportnidades passar por vezes e o obrigada a ceder mais por casa dos babis qe ja não sao tao babis assim pois e o marido adoramos ficar nm cantino do restarante bar seja o qe for so vendo a vida passar mas as crias ficam todo min importonando para ir embora preferimos evitar mas contarei para ele dessepost bjbj

Vera Lúcia Duarte postou o comentário número:

Olá Renata,
Passei por aqui e amei sua filosofia de vida.
Também não espero companhia para sair (apenas para viajar), pois se assim fosse estaria engaiolada.
A vida é breve e temos que procurar vivê-la bem e com alegria.
Abraço.

Convido você para integrar ou, pelo menos, visitar o meu recanto. Me daria prazer
(http://nuvemdeestrelas.blogspot.com).

Abraço e um ótimo fim de semana.

Leninha postou o comentário número:

Oi Renata!!!Gostei demais de sua postagem e concordo com vc:não podemos seguir as nossas avós que não iam a lugar nenhum sem a companhia do "digníssimo"consorte...e eles,levavam a vida que queriam,deixando-as em casa cuidando de suas "obrigações".Também gosto,e muito,de observar as pessoas,meu irmão reclama sempre...gosto de ir à Maria Torta e à Bombom e ficar saboreando uma fatia de torta e vendo a vida ao meu redor.
Mas não precisamos ir até o passado prá ver pessoas que se anulam em função de outras.Morei durante dez anos em uma cidadezinha(onde lecionava)e minhas colegas,se eu as chamasse para sair,sempre falavam que não podiam de maneira alguma,pq os maridos tinham que se encontrar com os amigos e elas tinham a "obrigação"de ficar com os filhos.E,até hoje,continuam a ficar em casa pois não sabem viver de outra forma.
Bjsssssss,Leninha.

Rô... postou o comentário número:

oi Re,

também tive uma semana daquelas,
meus horários estão de doer,
não consigo programar nada,
mas tá bom assim,

espero que com você tudo esteja acomodado,
que o papai esteja melhor,e todo o resto
no seu devido lugar,

meu pai costumava dizer que o futuro é hoje,
e sei que ele estava muito certo,
devemos fazer o que tivermos vontade,
pois nunca sabemos o dia de amanhã
o que nos reserva...
como dizia sua avó,
quando eu podia,não podia
agora que posso,não posso!

adorei...
muitos beijinhos

Lúcia Bezerra de Paiva postou o comentário número:

Guidinha, é isso aí. Ao menos a cada 15 dias encontro minhas duas irmãs, no final da tarde,e vamos a lugares variados, para um lanche e botar conversa fora. Por vezes, se junta algumas amigas. Minha faixa ainda é 70 (faço em 2012) mas sou a mais nova das manas. Encontro sempre grupos de idosas, e idosos, e jovens...tudo num mesmo ambiente de alegia. Viver o presente e PRONTO.
Adoro, pular essa cerca viva, aqui tem VIDA...
Beijinhos.

Lucia Costa Siqueira postou o comentário número:

Oi querida
Que coisa linda
Me emocionei lendo tudo isso
Maravilhoso,minhas amigas ja disseram tudo
Ou quase tudo.Mas amei e concordo
É uma grande verdade.....
Obrigado por seu carinho,e comentário
Sua vst a meu blog
bjs,boa semana

Rosiane Teixeira postou o comentário número:

Nunca tive problema em me divertir sozinha. Vou até ao cinema e não me incomodo.Minha companhia é uma delícia,e a vida é isso e também é curta.
Um beijo querida Renata.

Corina postou o comentário número:

Oi Renata, tb estou bem atarefada esses dias, pois tenho um novo trabalho. Fiquei muito feliz com sua visita em tb ao saber que seu pai está melhor. Bjosss

Rozinaldo Fiedler postou o comentário número:

E aí Renata.

O Flu iniciou capenga no Brasileirão. 2 a 0. Os tricolores se entendem.


Um abraço



E ponto final.

JUJU e LELÊ Artesanatos postou o comentário número:

Olá REnata!
Obrigada por nos lembrar que há tempo para plantar, tempo de colher, mas que sempre é tempo de viver. E, viver com qualidade e felicidade.
Linda essas senhoras com tanta energia, felicidade, aproveitando, vivendo...
Fazer o que vc fez é delicioso, sentar, relaxar, observar. Isso é viver. Parabéns!
Bjs e boa semana!
LelÊ

Conceição postou o comentário número:

Olá minha querida,

Em primeiro lugar venho agradecer as simpáticas visitas que fizeste aos meus cantinhos.
Lendo a história da tua avó lembrei de quando era solteira, que não fiz muitas coisas próprias da juventude pois o meu pai não me deixava. Felizmente casei com um homem que é o oposto. Só para tu teres uma ideia, a 1ª vez que fui a uma discoteca já estava casada há 2 anos e grávida de 5 meses, rsrsrs. Assim que casei tirei logo a carta de condução e depois mais tarde (já com as 2 filhas) vim acabar os estudos à noite.
Mas, sinto tristeza de não me ter divertido como por exemplo as minhas filhas se divertem, ainda ontem foram as duas para Faro sozinhas ao cinema, coisas banais, mas que eu não fazia. O meu marido diz que o que passou passou, para eu não lembrar e ver o presente, mas ás vezes custa me lembrar que vivia "aprisionada", só ía á escola, á praia, e sempre com os pais atrás. A minha maior alegria foi quando comecei a trabalhar, por isso larguei os estudos.
Desejo as melhoras rápidas para o teu pai.
Também não me esqueço de ti.
Beijoquinhas
São

casa de professora postou o comentário número:

Re, me identifiquei muito com você, não espero pelas pessoas para me divertir, quando tenho vontade, vou ao cinema sozinha, vou a igreja, ver vitrines, quermesses, festas, lanchonetes, etc...enfim sou feliz enquanto posso, gosto muito de liberdade e meu marido é muito amável e compreensivo, aprendemos com a maturidade...bjs!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...