Minha saga no Banco do Brasil...

Chego ao Banco do Brasil por volta das 13h50min. Enfrento uma fila para apanhar a senha de atendimento, isso antes de passar pela porta giratória. Uma funcionária seleciona as senhas por assunto a ser tratado no banco. Uns dez minutos depois consigo chegar a tal funcionária e dizer o que fui fazer lá. A mesma me dispensa, dizendo que precisava de um  documento x. Explico que esse documento não é mais emitido, somente disponível para impressão via net e essa cópia estava em meu poder. Sou então encaminhada a um gerente de setor que não se opõe ao que apresento e pede que eu retorne a tal funcionária para apanhar a senha. Ufa!Depois de muita luta, consigo a senha: 

P045 
Atendimento Preferencial (2º Pavimento) 
06/06/2011 
Hora de chegada 14h14min.

Sentindo-me vitoriosa, depois de vinte e cinco minutos para conseguir entrar no banco, me dirijo à porta giratória. Já fui deixando chaves e celular no compartimento de objetos "perigosos". Tento entrar, a porta trava... Ah, esqueci que moro em uma cidade onde o tempo é sempre imprevisível e tenho o péssimo hábito de andar com uma pequena sombrinha dentro da bolsa, além de minha arma letal - a agulha de crochê... Deposito essas duas armas junto com o celular e as chaves e finalmente consigo entrar na super segura agência do BB. Recolho minha tralha e subo as escadas (se fosse deficiente física, seria dispensada de vez, pois pelo jeito esse tipo de atendimento só é feito no segundo piso).
Viva, cheguei ao segundo pavimento! Tem cadeiras e um painel digital informando a ordem de chamada para atendimento. O que no meu caso levou mais ou menos uma hora.
Fui atendida por uma funcionária simpática, que faz todo o procedimento com paciência e sorriso no rosto. Diga-se de passagem, todos os funcionários estavam trabalhando assim. Parece que foram treinados para comissários de bordo ("sorriam, mesmo que o avião esteja caindo..."). Brincadeiras a parte, não posso me queixar do atendimento pessoal.
Começa aí outra parte interessante. Após concluir o atendimento, essa funcionária do segundo pavimento, faz uma nova rubrica em minha senha inicial que passa agora a ter o nº R451, com a qual devo me dirigir ao térreo para um novo atendimento. A funcionária tentando me tranquilizar, mesmo sem eu ter reclamado de nada, me explica que devo procurar a fila do atendimento rápido, já que essa é destinada a quem tem até dois documentos para serem resolvidos. Como no meu caso era apenas um, isso seria rápido.
Chego ao primeiro pavimento, um mar de gente se encontra lá. Fila? Que fila? "Tudo junto e misturado", com se fala ultimamente. As 16h34min, após ficar de pé desde as 15h15min (horário em que cheguei para me juntar a esse povão), consigo me sentar em uma das cadeiras do setor prioritário para idosos/gestantes... Não me senti constrangida em me sentar, já que além de não ter aparentemente ninguém que se classificaria como tal naquele momento, eu assim já estava me sentindo. Idosa e acabada de cansaço... Enjoada como se grávida estivesse. Então, achei que meu lugar era ali. Informo ainda que naquela hora,estavam atendendo ao nº R440 (a minha senha R451). Fico imaginando o que não estava passando aquele indivíduo que não foi classificado como "atendimento rápido"...  Me lembrei da querida Ana de Geo em uma de suas postagens sobre logística. Sem gente especializada, a coisa não vai andar nunca... Encontrei funcionários com muita boa vontade, mas dirigidos por superiores que são totalmente despreparados para gerir o sistema.
Finalmente as 16h47 min. acontece o chamado para o meu tão esperado atendimento. Quando chego ao caixa, entrego a minha senha e o funcionário sem olhar para ela, me diz: "- Pode falar, o que é que a senhora deseja?" Juro que a resposta me veio a boca, mas me calei e apontei para a senha... Ele olha e diz: "-Ah, tá..."
Saio do BB às 16h55min, através da maldita porta giratória, que já estava travada devido ao adiantado da hora. O vigilante veio abrir...
Como estamos nos aproximando do inverno, quando entrei tinha sol, se tivesse ficado nele até dava para pegar um bronze e satisfazer a minha vizinha que diz que estou precisando. Ao sair quase encontro as estrelas... Acho que só não encontrei por não ser correntista do BB. Serão essas as estrelas que são tão comentadas nas propagandas dos bancos? Clientes 1, 2, 3, 4, 5 estrelas? Quero que fiquem com a constelação todinha para eles... Só preciso voltar para casa...

Motivo de toda essa saga: Retirar o PIS/PASEP, que depois de estar cadastrada nele desde 1978 sem interrupção, sou premiada com o resgate da fortuna de R$ 1.050,00, por estar me aposentando como funcionária pública estadual. Chamo isso de violência, violação dos direitos do trabalho, trabalho escravo. Quem é que será punido por causa disso? Graças a Deus não sou Bombeiro, pois após esse post estaria presa...


Por essas e outras, quero é ser livre e do Lar!

17 comentários:

janeladesonho.blogspot postou o comentário número:

Renata ...
seu post ficou digno de jornal ... não só pleo humor , mas pela justa reclamação , é o fim da picada !!! Amiga , você é muito zem eu sou nos primeiros vinte e cinco minutos , mas , tem hora que gritar só mina nossas energias ... eu se fosse vc mandaria esse texto lindo para algum orgão ... não aquele não ! Aquele orgão passa a senha e manda os mal admistradores ir . BJIMMMMMM iluminado

Leninha postou o comentário número:

Estou aqui a morrer de rir com a sua saga BB e,continuo a dizer que você precisa escrever um livro de crônicas,vai ser um sucesso...
Como estamos comentando as agruras de funcionários e afins,vou lhe contar o que está acontecendo por estas bandas de cá.Como já lhe falei vim para optar se queria ou não a modificação introduzida pela Secretaria do Planejamento,em nossos contracheques.Você acredita que puseram,como vc diz,tudo junto e misturado:vencimento,vantagens adquiridas e demais benefícios conseguidos durante toda uma vida profissional e deram a esta mistura o nome de SUBSÍDIO...é quase um suicídio,né?
Dito isto,devo concordar com você,bom mesmo é ser "do lar",livre e feliz.
Bjsssss mineiros,
Leninha

Lúcia Bezerra de Paiva postou o comentário número:

Estranhei o PO...mas tudo bem rsrs. Saiba que o BB daí é irmão gêmeo do daqui e de alhures rsrs.
PIS/PASEP é miséria, pior que bolsa família...BS é mensal, já PP é só quando a gente se aposenta, o resgate total.Conheço isso tudo, amiguinha Guidinha. Sou cliente do BB desde 1976..PENSE?
No momento tô com êle no Juizado de Pequenas Causas, por conta de cartão de crédito que quis antecipar um pagamento parcelado e eles cobraram os juros exorbitantes que já estava nas parcelas.
Teve uma audiência e o BB não trouxe proposta. Haverá outra só em agosto. Quero ver em que vai dar....Funcionário público é assim tratado lá, cá e acolá.....
Valeu, menina (explica o PO...)rsrsr
Beijinhos

Renata Guidinha postou o comentário número:

KKKK, Lúcia querida, isso é um P 045, mas na senha vem assim mesmo. O P deve ser de pedinte... Bjks

casa de professora postou o comentário número:

Querida, não sei se dou risada ou se choro...essa é minha saga mensal após o BB ter comprado a Nossa Caixa, responsável pelo pagamento dos professores, além da saga, pensa em um banco que acabou com a minha conta e me deixou toda endividada, prefiro não comentar...quero chorar...mas a vida continua e tenho que trabalhar pra pagar o BB...rs! Bjs!

LaReK postou o comentário número:

Minha nossa, e eu já tava achando o cúmulo a primeira parte... Vergonhoso, hein?

Beijos, Rê!

Lúcia Bezerra de Paiva postou o comentário número:

Guidinha, é que a minha senha sempre tem PO e o nº...eu sou "prioritária",pela idade.Tmb é pra grávidas, deficientes e com crianças de colo. Não vi vc em nenhum desses casos...PENSEI: estaria grávida, ou com uma criancinha, deficiente? acho que não....Foi tudo brincadeira, só sei que sua senha foi PRIORITÁRIA...imagina, se não tivesse sido!!!!
Beijos

blog da Paraguassu postou o comentário número:

Olá Renata,
Puxa!!! Isso é que é ser brasileira, trabalhar uma vida inteira, aposentar-se e ir, toda satisfeita, receber o PIS/PASEP. Que loucura, amiga! Não vais esquecer isso que passaste tão cedo, não? Morro de pena de você. Agora, pergunto: e os canastrões dos políticos e sua turma, passam por isso? Até parece! Isso ninguém merece!
Agora, vê se descansa e esquece que existe Banco do Brasil, tá?
Um beijo grande, amada.
Maria Paraguassu.

Maria Luiza postou o comentário número:

oi Renata!!!!
como somos tratados com descrédito nas instituições públicas federais, estaduais, etc!!!!
Também fiquei mofando na CEF um dia desses!!!!!
Eu e um milhão de clientes!!!!!

Obrigada pelas palavras lindas que vc deixou lá no blog no post do mingau!!!!!!
Vc me entende!!!!!

bjs

Casinha de Açúcar postou o comentário número:

Ai Rê, sem comentários... descaso com o povo, com a nossa dignidade... ninguém merece...

Então, vou seguir seus conselhos sobre as molduras, não vou fazer nada por enquanto definitivamente, vou deixar a casinha ficar pronta e fazer algo que combine com o ambiente, com a parede...

Obrigadinhuuuu e beijokas

Juliana

Mônica postou o comentário número:

Renata
E além disso ainda tem que agradecer. Pois há dois anos atras eu andei de de del em del também e não encontraram nada pra me dar.
Até parece brincadeira mas nunca ganhei nada a mais do governo de Minas. Disseram que meu salario sempre esteve correto.
E mesmo assim não ganhei o pasep.
Mas fazer o que?
Voltei pra casa rindo.
E satisfeita de ser solteira e não ter ninguem pra sustentar.
com carinho Monica

Vera Lúcia Duarte postou o comentário número:

Você me fez lembrar de meu marido numa das raras vezes que foi ao banco. Era hora de almoço e poucos caixas para muita gente.
Ele chamou o gerente e mandou que ele ficasse na fila que ele iria ficar aguardando na cadeira dele. Isto em tom nada amigável. Em pouco tempo colocaram mais dois caixas no atendimento.
Nosso tempo é precioso e precisamos se atendidos com dignidade, já que os Bancos precisam de nós.
Beijo e apareça no meu recanto.

Ana de Geo postou o comentário número:

Guidinha, meu Deus do céu! Eu não tinha lido esse post ainda, mulher! Por causa de tanta correria essa semana, estou em falta com muitas visitas! E ainda tem coragem de por uma propaganda daquelas na TV? Façam-me o favor... nada não!
Realmente, me lembrei dos meus longos posts sobre logística! hehehe
E quanto aos causos do Geo, eu não discordo totalmente de vc, eles deveriam ser "televisionados" mesmo! Você precisa ouvir ele próprio contando essas coisas! E a cara de indignado que faz quando alguém diz que é mentira! Mô Meu é assim!
Obrigada pelo carinho de sempre! Fica na Paz!

Ana de Geo postou o comentário número:

Guidinha, fiquei tão feliz com o seu comentário sobre a campanha... Que coisa maravilhosa ver que a nossa oração rompeu as barreiras (se bem que não as enxergo) que existem entre rótulos de igrejas... Você e também o Padre de sua Paróquia me deixaram emocionada com a simplicidade, com o amor e a troca fraternal, coisas tão praticadas por Jesus! Mas é isso mesmo! Quando as pessoas deixam de enxergar as paredes das igrejas para enxergarem a Deus, e se unem em adoração a Ele, nada mais importa, apenas a unidade!
Muito obrigada por orar por nós! Pode ter certeza que faremos o mesmo daqui!
Fica na Paz!

Ana de Geo postou o comentário número:

Guidinha, o nome daquele é caçuá. São muito usados para transporte de diversos materiais, mas é mais usado na colheira. Coloca-se sobre a cangalha, tipo grosseiro de sela para animais de carga. Um de cada lado. O jumento, força muito usada no NE, tem bastante intimidade com cangalhas e caçuás. Quando eu era menina, pegava carona nos caçuás do engenho onde eu morava. Quando o Seu Claudino vinha da roça, minha irmã Nivea e eu parávamos ele, em cima do seu burro Pernambuco, e entrávamos uma em cada caçuá. A minha mãe passava o resto da tarde correndo atrás da gente pra dar uma surra daquelas! kkkkkkkkkk
Ow tempo bom... lá se vão sei lá, uns 25 anos! Nada existe mais daquele tempo, só as lembranças! Acho que por isso gosto tanto de contar esses causos!
Beijos e fica na Paz!

janeladesonho.blogspot postou o comentário número:

Li esse post de novo hehehe ficou mara!!
Re ... sabe engraçado realmente nos sentimos ETs , minha filha mais velha terminou um namoro , ainda gostando muito do rapaz porque ele dizia que o bom era fazer as pazes depois das brigas , e meio que criava situações , depois de algumas ela disse que não queria isso...

Monica Morris postou o comentário número:

nossa que saga hein adoro como vc escreve morro de rir mesmo de situações tão serias como essa sua mas so com muito bom humor a gente consegue veiver mais não é mesmo, eu sou assim também
bjbj
Monica

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...