O caso do bolo...

Tenho medo de me esquecer de histórias tão boas que vivi, por isso acabo fazendo postagens sobre elas. Minha intenção inicial com esse blog era uma... Fui tomando um rumo tão diferente e tenho me divertido muito com o reviver dos fatos que acabo narrando... Nunca vou poder me queixar de ter tido uma vida monótona. Ando parecendo tocador de viola, onde uma moda puxa a outra e lá vai ele com sua toada noite a dentro.

Parei um pouquinho o faxinaço que estou fazendo na casa, pois não sou de ferro e me dou o direito ao descanso. Sentei-me aqui sem nada especial para escrever e do nada veio povoar a cabeça uma história inesquecível em minha vida...

Vamos lá! (Como sempre nomes e lugares fictícios, por razões óbvias)

Numa época distante no Rio de Janeiro, a Lourdinha que estava afastada fazia um tempo devido aos estudos universitários que realizava em Porto Alegre, foi à casa de minha mãe em um sábado à noite procurar por mim. Não me encontrou. Tinha saído com o maridão - na época noivo. Pediu a minha mãe que eu fosse à casa do pai dela no domingo cedo. Ela não morava mais lá e sim em Porto Alegre e sua passagem estava comprada para voltar para esta cidade ainda no domingo, mas me esperaria para conversarmos.
Quando retornei para casa, minha mãe falou-me da visita de Lourdinha. Fiquei muito feliz e ansiosa por revê-la.
No domingo bem cedinho, fui me encontrar com ela. Foi um encontro maravilhoso. A saudade era muita e tínhamos uma infinidade de assuntos para colocarmos em dia. Resumindo, a Lourdinha ia se casar e queria que eu fosse mãedrinha. Isso mesmo "mãedrinha". Ela viria ao Rio praticamente só para se casar. Estava em época de conclusão de curso, monografia e coisas assim... Já tinha alugado um apartamento em Belo Horizonte onde passaria a viver depois de casada. 
Aconteceu um diálogo mais ou menos assim entre nós:

Eu   - Que legal você e o Paulo escolherem Belo Horizonte para morar...
Lourdinha   -  Paulo? Que Paulo? Esse já saiu de minha vida faz tempo.   (A Lourdinha e o Paulo foram namorados por cinco anos e da última vez que nos vimos o amor andava aparentemente de forma maravilhosa)
Eu    - “Ô, como assim? Quem é o noivo então, Loudinha? Eu conheço?
Lourdinha  - Não Rê, você não conhece. Ele é o Juninho e virá ao Rio daqui a quinze dias para conhecer minha família e a mãedrinha de nosso casamento...  Eu também não conheço o seu noivo e a oportunidade vai ser essa. Não aceito "não" como resposta...

Os quinze dias se passaram e lá estávamos nós quatro, Lourdinha, Juninho, meu noivo e eu sentados em um restaurante jantando juntos e nos conhecendo... Tentando fazer uma amizade nascer e crescer em uma noite... Tudo isso porque fui escolhida para providenciar o que fosse necessário para o casamento. Decoração, bufe... Dinheiro não era o problema o pai dela ia bancar tudo. Ele estava assinando cheques em branco para a maluquice. Era coisa de doido mesmo. Teria que montar a casa também. Não existia absolutamente nada, só o apartamento lá em Belo Horizonte e os móveis básicos. O casório aconteceria em quarenta dias. O detalhe é que eu trabalhava e estudava, tendo muito pouco tempo disponível.

Acho que meu noivo ficou gelado, com medo que eu me sentisse contagiada com aquela coisa toda... Posso garantir que isso não aconteceu. Nos casamos um ano depois no tempo que já havíamos planejado...

Primeiro fiquei preocupada, mas depois pensei: Não sou doida por aceitar. Doida é ela de me pedir isso. Embarquei na história e resolvi que me divertiria muito.

Anotei tudo que eles queriam e lá fui eu fazer os meus contatos... Literalmente uma viagem.

Tudo foi providenciado. Utensílios domésticos. Roupas de cama, mesa, banho... Fiz uma lista de tudo que uma casa precisava e caí em campo. Foi a melhor parte.

O juiz de paz era meu padrinho de batismo e pedi que fizesse uma cerimônia legal, já que só haveria o ato civil e este seria realizado em um lugarzinho aconchegante, seguido de um grande almoço para sei lá quantas pessoas... Descobri que isso não tinha perguntado...

Lourdinha se encarregou do vestido e escolheu o modelo do bolo, que deveria ser providenciado...
O bolo, isso sim foi o problema. Tinha três andares e era adornado com orquídeas naturais, conservadas por dois dias na geladeira de minha mãe.  Quando fui providenciar o transporte do bendito bolo, descubro que nenhum carro que poderia dispor caberia a coisa, devido a sua altura. Só Jesus! Já desesperada procuro a Laura, parente próxima de Lourdinha e explico o que estava acontecendo. Ela ri de mim e diz:  - Que bobagem, isso eu resolvo rapidinho. Deixe o transporte do bolo por minha conta. Não fiz nada para ajudar até agora e tenho certeza que posso me encarregar disso. Fiquei aliviada.

Chegou finalmente o tão esperado acontecimento. Tudo organizadíssimo. Acho que perdi uma ótima oportunidade de ter mudado o rumo profissional de minha vida naquele dia... Só faltava o bolo. Comecei a ficar apavorada... O casamento era às dez horas. Marquei com a Laura que estaria no local da festa bem cedinho, para receber o bolo. Já eram oito e meia e nada. Naquele tempo não havia celular no lugar escolhido, telefone fixo nem pensar... Precisamente às 8h50min sou surpreendida por um camburão encostando. Pensei: "pronto, só faltava essa, fiz alguma coisa e vou ser presa..." Os homens descem e abrem a porta traseira dessa viatura. Até hoje, não acredito no que vi. Sai de dentro daquela coisa, a Laura e o bolo... Arrumei a mesa, me fingi de morta e abafei o caso. Bom, pelo menos até isso virar essa postagem.

A Lourdinha e o Juninho não estão mais juntos. Separaram-se uns três anos depois. Definitivamente uma maluquice dessa não poderia dar certo. Eles se casaram poucos meses após se conhecerem, ou melhor, acho que nem se conheceram, apenas olharam um para outro sem perceberem que isso não bastava. Ficou faltando olhar para frente na mesma direção. O casamento acabou,  porém a experiência me trouxe um diploma como "mãedrinha"!


A cerimônia e a festa aconteceram nesse lugar onde meu marido e eu namoramos muito. Pertencia a um primo muito querido, que já nos deixou...

15 comentários:

casa de professora postou o comentário número:

Boa Noite, Re, fico imaginando o bolo da noiva chegando de camburão...rs, algo semelhante me aconteceu: qdo eu era universitária, uma amiga chegou de camburão no portão central da Universidade, ela ficou travada (coluna) no meio da cidade e a única solução foi chamar o 190, imagine a cena...rs, bjs linda!

Rejane postou o comentário número:

Amei a estória pena q o casamento nao deu certo.... Um bj Renata saudade de vc.

LaReK postou o comentário número:

Kkkkkkkkkk... rachei de rir com a história do bolo! Ótima!

Tem gente que se casa rápido demais mesmo, é fácil dar errado... mas não é impossível, né?

Beijinhos, boa semana!

Rô... postou o comentário número:

oi Re,
saudades,

vir aqui nesses quatro meses,
é ser mais feliz,
mais humana,
e mais Rô,
é me deliciar com suas palavras,
e ter vontade de voltar rapidinho,

obrigada pelos
quatro meses
do Somente amor...

beijinhos

Eva postou o comentário número:

Oi Renata Guidinha, adoro vir aqui, sempre tem muita emoção para partilhar, vc tem o dom da escrita e o poeta ve de um ângulo emocionante e invisivel a nós, simples mortais, heeh, o poeta vem a profundidade dos momentos e os valoriza um a um e nos ensina a valorizar e enxergar com os olhos do poeta, parabéns minha amiga pela intensidade de sua vida, vc reflete muito bem e com muita poesia no que escreve, uma linda semana, um grande abraço a vc.

Angela postou o comentário número:

Olá querida amiga, puxa adoro suas estórias.
Imagino a trabalheira toda que vc teve para organizar o casamento. É triste quando acontece assim, rapidinho. Eu acho que ela estava triste com o Paulo e quis mostrar à ele que já tinha arrumado outro e ainda por cima,se casando!
Beijos e uma ótima semana!

Alessandra postou o comentário número:

Muito interessante seu blog!!Parabéns!
Abraço

Ah,se quiser passa lá no blog,tem sorteio.

Wal postou o comentário número:

Cada coisa que nos acontece né!
Ainda bem que nunca uma noiva me pediu uma coisa assim!Rs
Beijinhos e ótima semana!

Mônica postou o comentário número:

Eu adorei renta. Parece coisa de novela.
Fui ao Rio e já voltei.
Adorei tudo!
com carinho Monica

Leninha postou o comentário número:

Renata querida,acabei agora de ler a sua história para minha irmã que está também se tornando fã de carteirinha de suas bem humoradas postagens e já me pergunta por elas quando chega do trabalho...quer dizer que a senhora perdeu uma chance de se tornar uma produtora de eventos?Olha que ainda está em tempo...
Mas,falando sério,gosto de seu modo de narrar
estes fatos de sua vida,com um colorido todo especial.É isto,Renata suas narrativas tem cor,as de algumas pessoas são em preto e branco...
Uma semana bem colorida para você.
Bjsssss,Leninha

Maria Luiza postou o comentário número:

Oi Renata!!!!

Legal vc dizer que fez o post pra nunca esquecer a história...
Já notei que ando esquecendo umas coisas lindas lá de trás!!!
Ai que medo!!!!

E obrigada por participar do sorteio!!!
BOA SORTE!!!!

Malu

janeladesonho.blogspot postou o comentário número:

Renata rsrsrs que delciia de histórai adoro os seus causos e vc tá ficando craque nisso hehehe
Quando fizer a sopa me conta tenho certeza que o seu marido vai te encher de carinho é uma delica mesmo !!!
Amiga que Deus te abençoe , e suasemana seja muito feliz ...
v
bjimmm iluminado

Adriana postou o comentário número:

Que loucura, não??? Essa Lourdinha foi com muita sede ao pote!!! He, he!!!
Vim agradecer a visitinha lá no meu blog, e dizer que a Santa Ana minha filhinha, que se chama Ana Luiza, ganhou de minha mãe! Tenho muito carinho por aquela santinha!

Muitos beijinhos ´pra vc, e pra Lourdinha!

Elaine Canha postou o comentário número:

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Pior seria se o bolo tivesse vindo num carro de funerária (brincadeira né, pois seria super anti-higiênico além de ser mau agouro)

Beijos

Carmen postou o comentário número:

Oi Renata,
Estou chegando agora no seu blog,vi seu nome e resolvi ler a história...vc não tem idéia(ainda tem acento?!) do quanto eu ri...adoro contadores de histórias!!!!
Vc narrou com uma graça, que parecia que eu estava lendo um livro, pois queria continuar p/ ver o desenrolar do casamento...muito bom!!!
Resultado: resolvi ficar e ler mais....!!! Bjs

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...