Conteúdo de uma bolsa Guidinha...

Em minhas andanças observo a mudança de modelos, tamanho e material das bolsas usadas pelas pessoas de acordo com a faixa etária em que se encontram. 
Com o decorrer do tempo as minhas também foram mudando e hoje, me incomoda compará-las as das  filhas, não no que diz respeito ao estilo, mas ao conteúdo. Cada dia as minhas estão mais vazias e leves ao passo que a delas...
Sei que geralmente as mulheres são dependentes de pequenos e "valiosíssimos" objetos que julgam essenciais para a  sobrevivência fora de casa, por isso coisas e mais coisas entopem os verdadeiros baús  que carregam o dia todo.
Acho incrível apreciar senhoras idosas e suas pequenas bolsinhas atravessadas no ombro, andando felizes da vida com as mãos livres e sem a insegurança da necessidade de carregar peso morto.
Preciso evoluir um pouco mais neste quesito, mas incomparável mudança de conteúdo aconteceu nessas minhas companheiras - as bolsas. Já consigo na maioria das ocasiões sair de casa carregando dentro delas, apenas chaves, documento (um único, tendo em vista que não vivo pensando que vou me acidentar, morrer, perder a memória e etc a qualquer momento se for "ali"), uma carteira com algum dinheiro que possibilite a compra de algo que precise, lenços de papel, caneta, bloquinho e o celular (se esquecer em casa, normalmente resisto à tentação de voltar para buscá-lo). É isto e chega.
Não me acompanha a sensação de vazio ou morte por faltar lixa, agulha, linha, batom, cremes, álcool gel, escovas, carregador de celular, sombrinha, balinhas, remédios, agenda e sei lá mais o quê. O conteúdo de minhas bolsas hoje está mais próximo ao de minha mãe que das filhas.
Se eu for passar o dia longe de casa, acrescentarei uma pequena necessaire com material de higiene pessoal, batonzinho, cartão de banco ou similar e minha agulha de crochê. Está bom demais. Carregar peso não é o meu hobbie preferido.
É claro que quando tinha as meninas ainda pequenas, a bolsa andava recheada de tudo, mas bolsa de mãe é um caso a parte - algo surreal.

Libertar-me da necessidade de um verdadeiro arsenal de sobrevivência andando de um lado para o outro comigo, faz parte da qualidade de vida Guidinha que sempre sonhei. Circular sem pressa com bolsa levinha e sapatos confortáveis por aí, não tem preço... Se me perguntarem o que não pode faltar em minha bolsa hoje em dia, serei criticada é certo, mas o fundamental é leveza... Bolsa reflete a cabeça.

16 comentários:

Leninha postou o comentário número:

Minha querida Renata,

Gostei de ver o progresso em nome da leveza e da simplicidade...eu tento,mas é bem difícil. Então alterno os dias em que carrego uma simples bolsinha(Daquelas de idosas mesmo),a outros em que pareço carregar o peso do mundo.Mas por incrível que pareça, não carrego nenhuma das coisas daquela lista que você fez...o único problema é que tenho mania de guardar papéis,rsrs,e estes pesam muito.Sempre que arrumo a bolsa, retiro uma quantidade enorme deles...mas depois tornam a surgir, numa proliferação absurda. Tenho que me policiar.

Adorei esta crônica do cotidiano, como todas as outras, sou sua fã de carteirinha e, se você o desejar, passe no Love da minha Vida para receber o Prêmio Dardo ao qual faz jus.

Bjsssss,
Leninha

Turquezza postou o comentário número:

Menina, não é que minha bolsa também é assim? Chega de levar "a vida" dentro da bolsa, até porque meu "ombro amigo" não gosta de muito peso. E bolsinhas atravessadas para sair por perto de casa, é ótima. E uma sandalinha havaiana também. Ás vezes sou bem despojada .......
Beijos querida.
Tem Prêmio para você no meu Blog.

Adriana postou o comentário número:

OI, GUIDINHA! Minha bolsa carrega minha carteira... e a chave do carro; quase nunca o celular. Adooro não carregar nada... visto que já carrego muitas coisas nos ombros...
bjuuuu

Rô... postou o comentário número:

oi Re,

a minha ainda por hora carrega objetos com um certo peso,
como o guarda-chuva,que em São Paulo é extremamente necessário,
a necessaire com a maquiagem imprescindível e exigida no trabalho,
e uma bolsinha com meu tercinho e minhas orações...
o restante: agenda,óculos,carteiras escovas,bolsinha de remédios,e mais e mais deixo na minha gaveta no trabalho,
ufa já chega o que tenho que carregar,né?

beijinhos

✿ chica postou o comentário número:

Na minha bolsa já teve de tuuuuuuuuudo. Hoje, a D.CoLUNA ( de véia) grita e carrego o mínimo... Adoro te ler, sempre!! beijos,chica e quando pularmos a janela nos veremos. Por enquanto nem preciso pois estou sempre bem cercada de gente,sr

Leninha postou o comentário número:

Passando agora prá te convidar para a festa de aniversário no Tudo a Ver...com música no estilo que você gosta , de ouvir e de tocar.
Bjssssssss,
Leninha

Andrea Guim postou o comentário número:

Oi Re!
Vim convvidar pro SORTEIO de 2 prendaas lindas que tá rolando no AndreaGuimBlog.
Bora lá participar!!!
Beijins,
Andrea

Deusa postou o comentário número:

Oi Renata,

Menina...sabe que agora você me pegou? Eu nem tinha notado isso....antes eu usava a bolsa como uma mala,tinha maquiagem,perfume,agenda,balinha,canetas,espelho...cruzes... como eu esqueci isso...kkkkk.
Maitê nasceu e eu virei uma mala ambulante,tinha a casa dentro,tudo o que você imaginar...chupeta,leite em pó,toalhinha,cobertorzinho...etc..etc...
Agora...eu levo o celular e dinheiro...mais nada...se possivel tudo em uma bolsinha minuscula,gente...e a libertação...livre..leve e solta...e nem tinha notado..rssrsrsrs.
Beijinhos
Deusa
vasinhos coloridos

Lourdes Fiedler postou o comentário número:

Ah, Renata...foi frequentando quitanda no começo de casada, que eu aprendi a preparar pratos saborosos que faço até hoje.
As pessoas conversam trocam ideias...eu nem sabia como preparar beringela, acredita...

Eu não consigo andar sem minha bolsinha, nela eu levo as chaves de casa, a carteira, um porta moedas, uma sacolinha de pano dobrada, uma toalhinha para enxugar o suor...rs, e a maquininha.
Celular só quando pego a estrada.
Fico tensa andando com as mãos vazias.
Adorei o seu comentário.
Beijos.

Rê Furlan postou o comentário número:

Oi flor! Obrigada por sua visita. Eu já havia visitado seu blog antes, mas perdi de vista...rsrsrs ainda bem que vc foi me visitar! Agora estou seguindo e náo perco mais vc! Beijo e lindo final de semana!

Mônica postou o comentário número:

Renata
A minha bolsa é uma confusao. Eu levo batom mas nao uso. Eu levo lixa mas ela quebra. Eu levo pouquissimo dinheiro. Já passei aperto. Eu gosto dela a tiracolo para me faciliar mas ficam me incomodando no meu corpo. O cartao levo só mesmo se vou especificamente para comprar. No normal deixo em casa, pois morro de preguiça de fazer compras.
Um, grande abraço
de sua amiga Monica

Kika Diniz postou o comentário número:

Oi Renata, cá estou pra matar a saudade de ler seus textos!!
Sabe que a minha bolsa tbm mudou com o passar do tempo...agora estou tentando me livrar dessa mania de bolsa de mãe e sapato tbm, desde de que a Livia nasceu só uso sapatilhas, salto alto só em algumas e raras ocasiões!!! Posso abrir uma loja de tantos que tenho guardados esperando pra serem usados!
As fases da vida né amiga!!!rsrs
Bjks e bom domingo

BRECHÓ DO SUL . PODE SER !!! postou o comentário número:

OI TUDO BEM !!
OI ADOREI SEU BLOG JÁ ESTOU SEGUINDO PODERIA POR GENTILEZA SEGUIR O MEU TAMBÉM , E CLICAR NO G+ . MEU BLOG É :- http://brechodosul.blogspot.com.br , VAI DAR UMA OLHADINHA SERÁ UM PRAZER EM RECEBER . SE QUIZER VOTAR NO TOP BLOG DO QUAL SOU FINALISTA AGRADEÇO !!!

OBRIGADA AGUARDO SUA GENTILEZA

MARCIA REGINA - DESCULPE-ME A LETRA GRANDE MAS SOU DEFICIENTE ESPECIAL

Favo de Mel postou o comentário número:

Oi Renata minha amada intelectual, venho agradecer sua mensagem em meu blog neste dia tão especial para mim. Suas palavras me alegraram o dia e encheram minha alma de um sentimento de paz muito forte. Mais uma vez agradeço e desejo para ti um domingo iluminado. Beijos da abelhinha feliz.

Turquezza postou o comentário número:

Guidinha bom dia, li seu comentário sobre a Editora, vou mandar email para lá agora! Isso não acontece, vou ver o que houve. Beijos querida.

Teresa Aparecida de Aquino Soranso postou o comentário número:

É um barato isso e é verdade! A gente vai se livrando de algumas coisas com o passar dos anos, embora conheça outras que vão acumulando, rsrsrrs Eu sou das que não ficam com roupas que não servem ou que já tenha enjoado. Dôo roupas novas mesmo, desde que não as queira mais. E faço isso com tudo, TV, rádio, cama etc. Meu marido é do mesmo jeito e acho isso ótimo. Acumular, só o que vai no coração e na cabeça, sempre coisas boas, por favor! Bjs e tenha um lindo dia!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...